terça-feira, 22 de janeiro de 2008

Na Grafonola do Marsupilami | Amarionette

Apesar da tenra idade - fazem no próximo mês, um ano - eles, e ela, sabem muito bem o que querem fazer, e o que querem oferecer a quem os ousar ouvir. Os Amarionette chegam-nos do outro lado do Tejo, e prometem refrescar as ideias de todo o país, com as suas músicas... O Marsupilami não está indiferente ao que se passa em Paio Pires, e quis saber um pouco mais sobre os Amarionette, e para isso fez-lhes algumas perguntas. As respostas, estão duas linhas abaixo...

Antes de mais obrigado aos Amarionette, por aceitarem responder a algumas perguntas que vos queria fazer. Obrigado.

Marsupilami (M) - Quem são os Amarionette?

João G. (JG) - Os Amarionette são a Joana (voz e baixo), João G, Joao P (guitarras) e Miguel (bateria).

M - Quando e como é que tudo começou? E qual era o objectivo na altura?

JG - Voltando atrás cerca de um ano... Era Fevereiro de 2007 e eu (João G.), o João P e o Miguel tinhamos vontade de começar algo novo e original... Uma banda de rock que transmitisse a música que realmente nos vai na alma e que nos dá gozo tocar. No princípio até pensámos em optar por ser apenas uma banda instrumental, mas experimentámos recrutar a Joana para a voz e realmente foi o melhor que podíamos ter feito.

M - O que querem transmitir com as vossas músicas, o vosso som?

Miguel (MA) - Acima de tudo emoções. Tanto em termos líricos como musicais, tudo o que sai de Amarionette é acima de tudo sentido e nunca pensado. É como se houvesse uma ligação directa do coração aos nossos membros... E o que sai, é o que sentimos que tem de sair... Amor, melancolia, desilusão, a simples natureza ou até a imprevisibilidade da abstracção.

M - Como tem sido a reacção ao vosso som nos concertos, por parte de quem vos ouve?

MA - Desde Junho de 2007 que temos vindo a dar uma média de 2 concertos por mês um pouco por toda a área da Grande Lisboa. Até agora as reacções têm superados as nossas expectativas... Por vezes existe uma grande simbiose com o público, durante um espectáculo nosso. Além disso, para uma banda pequena como nós, é bom vir pessoal ter connosco no final do concerto e dizer que atravessou o rio de propósito para nos ver! (como já aconteceu)

M - Porque decidiram cantar em português? Foi algo estipulado logo de início, ou aconteceu? E acham que poderão ser mais bem aceites, pelos menos em Portugal, por cantarem em português?

JG - Sim, desde que decidimos que iamos ter voz nas músicas que sabiamos que seriam cantadas em português. Doutra maneira não seria possível transmitir dum modo puro as emoções que motivam as nossas composições/letras... Em termos de aceitação, nem sequer foi um ponto a abordar, e apesar de neste momento a língua Portuguesa estar a ganhar mais exposição no meio musical, o Inglês ainda é (infelizmente) levado mais a sério muitas das vezes.

M – Actualmente, a net é um poderoso aliado na divulgação do trabalho das bandas. Qual é a vossa opinião em relação à net vs musica? E acham que pode ajudar ou prejudicar uma banda como os Amarionette?

JG - Hmm... A TAL pergunta... A nosso ver a internet é (como muitas coisas na vida) uma aliado e ao mesmo tempo um rival... Por um lado é, como referiste, uma poderosa ferramenta na divulgação de (novas) bandas. O lado negativo é que existe mesmo demasiada facilidade em propagar a música e hoje em dia o meio musical está saturado de ideias, sejam boas ou más, o que chega a cansar o ouvinte e este desiste de procurar novas bandas porque está constantemente a ser bombardeado por anúncios, convites, etc. Em termos pessoais, a internet tem-nos ajudado a espalhar a palavra por todo o país. Graças ao MySpace temos contactos para tocar de Norte a Sul (que não aceitámos por opção - de momento existem outras prioridades, mas para breve estaremos na estrada, espero eu!). Apesar de só termos uma música disponível no MySpace desde que o inaugurámos, já nos permitiu abrir portas com uma rapidez que não julgávamos possível. Aliando isso ao óptimo feedback que temos recebido nos concertos, só temos pontos positivos a apontar.

M - Ainda sobre a net, acham por exemplo que poderiam os Amarionette lançar um álbum ou ep, via net, totalmente gratuito?

MA - É esse o nosso plano! Estamos a gravar 4 músicas (incluindo a Corvo de Papel, que está no MySpace) com melhor qualidade para disponibilizarmos gratuitamente, em conjunto com artwork/capa, e que servirão também de trabalho de apresentação a editoras/imprensa.

M - O que acham do actual panorama musical português?

MA - Temos tentado seguir atentamente as novidades dentro do espectro rock cá em Portugal e sinceramente estamos bastante agradados com a boa qualidade que se faz ouvir por cá. Felizmente as mentalidades também começam a mudar e cada vez mais o público sabe apreciar o que se faz por cá em vez de apenas dar ouvidos ao que vem de fora. Infelizmente, muito do reconhecimento que as bandas têm por cá ainda tem de ser puxado a ferros, pois sentimos que existe alguma dificuldade e falta de apoio/divulgação à música que se faz em Portugal. Felizmente existem iniciativas como O Marsupilami que tentam contrariar isto!

M - E do actual estado no geral do nosso país?

JG - Estamos cientes do país e do mundo em que vivemos e sabemos as dificuldades (reais ou não) que existem, mas não temos opinião formada sobre o assunto, nem sequer é algo em que dediquemos o nosso tempo a pensar. Viver simplesmente...

M - Acham que existem locais, tanto em quantidade como em qualidade, suficientes no nosso país para uma banda se mostrar ao vivo?

JG - Quantidade não falta. Mas o que parece que falta é vontade de apoiar as bandas e quando a vontade existe muitas vezes faltam as condições. Por estranho que pareça, à gerência de um bar, por exemplo, uma banda é algo que acarreta despesas e às vezes até para fornecer garrafas de água torcem o nariz. E isto sem falar no facto de que é muito difícil para uma banda nova mostrar-se hoje em dia se não estiver "acompanhada" de outras bandas já com algum nome no meio ou se não for devidamente divulgada. Hoje em dia é preciso ser-se muito insistente para convencer as pessoas a sair de casa e irem ver um concerto de uma qualquer banda desconhecida.

M - Sei que estão a preparar um ep, mas quais os proximos passos dos Amarionette?

MA - Neste momento estamos a apostar nos concursos locais para divulgar a nossa música e tentar levar o nome Amarionette a novas alturas. Outros planos passam pela divulgação do referido EP através de concertos/rádios/artigos e procurar interesse por parte de editoras e locais de concertos. De resto, só o futuro o dirá... Continuar a compor, correr país com os instrumentos às costas... Mas acima de tudo viver um dia de cada vez.

M - Um última pergunta: qual a vossa personagem preferida de banda desenhada?

MA - Astérix!

JG - O Superpato, o alter-ego heróico do Pato Donald... Em puto era um viciado na Disney (confesso que ainda leio, às vezes...)! E estou ouvir ali do fundo que o João P. gosta muito do Batman. Vá-se la saber!

CURIOSIDADES:

M - Porquê o nome Amarionette?

JG - Na altura que estavamos às voltas para encontrar um nome, o nickname da Joana no Messenger era "Puppet"... Através de uma associação de ideias, surgiu-me "Marionete". Como todos somos aficionados das artes, pareceu um bom nome... Depois na discussão apareceu a ideia de juntarmos "Amar" e jogarmos um pouco com as palavras... Daí saiu Amarionette... Tem Amar... e A Marionette! (A ideia do duplo t não sei donde veio, mas calculo que foi porque achámos piada como seria pronunciar o nome com sotaque francês... E ficou assim!)

M - Influências?

JG - Acima de tudo gostamos de experimentar. Só não experimentamos o que não estiver ao nosso alcance e espero que o nosso alcance vá aumentando com o tempo... O nosso dia-a-dia é trazido para o caldeirão Amarionette... Uma pitada de rock, uma pitada de metal, uma pitada de esquizofrenia e tudo mexido com muito amor...

MA - ...lamechas.

M - Bandas nacionais que têm ouvido?

Todos - If Lucy Fell, Linda Martini, Riding Panico, Men Eater, Ornatos Violeta, Clã... Bandas que para nós significam alguma coisa e tentam/tentaram dar o seu melhor e realmente contribuiram para a cultura musical portuguesa.

Myspace dos Amarionette

Sem comentários: