quinta-feira, 13 de agosto de 2009

OBSESSIVIDADE INTERMITENTE | 7

logoOBI[3]

Havaianas no Verão.

A era é global, é tudo global. A internet diz-nos que todos podemos ter acesso a tudo, estejamos nós onde estivermos, só é preciso que haja uma ligação à Web. No entanto a escolha tende a estreitar-se sempre. Somos invadidos com escolhas feitas previamente a toda a hora. E essa escolha fizemo-la nós? Se calhar, ao olhar dos mais desatentos sim, mas pensar acerca disso dá-me uma estranha sensação de enjoo. Andei à procura de uns chinelos, qualquer coisa para se calçar quando se vai à praia ou à piscina. Fui à zona comercial mais próxima, só havia havaianas. Certo está que de muitas cores e com desenhos diferentes mas não tinha nenhum outro tipo. O que está mal aqui?

Há já uns anos que sou utilizador assíduo da internet e da Web 2.0. O facto de ter uma banda leva-me a encontrar soluções para conseguir promover e chegar até mais gente (e a história das havaianas continua). Em 2004 registei uma conta no myspace e ao longo destes últimas anos fui reparando como as tendências e as modas são mesmo importantes para atingir as massas, também na internet, que seria por excelência o meio mais liberal que existe no mundo de livre circulação de bens culturais e não só. Pois então, myspace em 2004, fotolog em 2005, hi5 em 2006 e hoje facebook e twitter. Pois agora é mais importante dizer o que estamos a fazer neste momento, não que realmente interesse a alguém mas sim porque é apelativo ter uma imagem cool, ter alguém que nos segue, ter amigos que gostariam de nos ver um dia, encontrar gente. Esta porrada de contra-sensos deixa-me sempre meio azoado, de modo que começo a achar que, no que diz respeito a divulgação online, estamos apenas a lidar com o factor sorte / moda. Tomara que o género que eu tenho seja moda um dia, senão estou realmente fodido.

Neste seguimento intriga-me a gripe A. Estou realmente intrigado com a forma como tenho visto isto a decorrer. Diz-se nas notícias que o Reino Unido é um dos países com mais casos e não há nenhum alarido daquela parte. Nas nossas notícias passam todos os dias o número de casos até agora e como combater. Em França não querem adiar o ano escolar mas já criaram um plano para dar aulas por televisão às crianças. Espero honestamente que alguém leia isto e se manifeste! DAR AULAS POR TELEVISÃO A CRIANÇAS. O futuro pode ser realmente assustador se este cultivo do medo e da influência total sobre as nossas escolhas continuar. Já não é só na música, no meio que mais me interessa trabalhar. É nesta perspectiva global de manipulação das massas e chateia-me de uma forma absurda, que a maior parte nem sequer perceba a manipulação que está a sofrer! Temos computadores portáteis, cada um o seu, temos telemóveis com internet, temos 1000 canais em casa, na televisão, e ainda assim enfiam-nos pela cabeça a dentro havaianas, gripe A e bandas que supostamente são o que devemos ouvir (não menciono nomes porque fica ao critério de cada um), o que está mal aqui? Digam-me! Hoje, nas notícias, era a ida ao Algarve que preocupa os especialistas, porque está cheio de estrangeiros e depois as pessoas quando voltarem vão trazer a gripe. Um amigo disse-me uma vez: “qualquer dia põe-nos um gajo à porta a dizer-nos que não podemos sair”. Estaremos tão longe disso? Acho que já lá chegamos. Esse gajo está todos os dias nas notícias. É urgente, isto é tudo muito urgente.

Ninguém estranha o porquê de estarmos a levar sempre com as mesmas músicas na televisão e na rádio? Ninguém estranha? Ninguém estranha nada? Também sentirmo-nos impotentes não resolve de nada. Podemos fazer muito por isso, não basta encolher os ombros.

Preocupa-me tudo isto mas felizmente temos os Biffy Clyro no Santiago Alquimista, dia 12 de Dezembro.

E para terminar: “Living is a problem because everything dies”.

Davide Lobão | www.myspace.com/chemicalwire