sexta-feira, 25 de janeiro de 2008

Opinião | Revisão Parte 1

Em tempo de vacas magras, em altura de transição, em tempo de mutilação pessoal por excesso de informação e acidentes visionados por autores contemporâneos, subjugamos a nossa atitude nefasta a um síndrome incompreensível de auto-preservação. E neste momento perguntam: “Mas que raio está ele para ali a dizer?” É bastante simples, a paixão passou a ser o esforçado tesão (perdoe-me a linguagem) de encontrar alguém que corresponda aos parâmetros anunciados em qualquer cartaz ou televisão e o puro e verdadeiro amor pelo que se faz, ao inevitável pavonear na passerelle de mais um “olhem para mim”. Se Pessoa aqui estivesse, com toda a certeza escreveria uma incrivelmente triunfal ode à enormidade que se vive hoje em dia. Controlem-se meus senhores, vamos manter os pés assentes na terra, não somos nada nem ninguém, nem quando temos tudo nas mãos, é nessa altura que mais temos que lutar.

Ora bem, parte dissertação parte critica objectiva e favorável ao mais severo ataque mas avancemos. 2008 pode, como qualquer outro ano, ser o ano da viragem. Façamos figas e mergulhemos num trabalho desmesurado para marcar uma diferença, para demonstrar um pouco mais de nós, sem medo de não corresponder aos estereótipos apresentados até então, sem medo de ser um estereótipo como os apresentados até então, vamos nesta camioneta e digamos qual o nosso nome e a nossa intenção, mas definitivamente, perca-se todo o medo e o individualismo!

Como se nota ainda estou em tempo de reafirmação das prioridades de 2008, 2007 doeu imenso no peito, é necessário uma renovação de forças para se poder fazer algo de novo e de nós. A coisa mais incrível é a semelhança da nossa vida com a canção que se passeia diante dos nossos olhos, cada uma pode ilustrar-nos. Acho que o meu objectivo hoje é encontrar a minha canção e depois encontrar o meu objectivo, visto que os sonhos e as esperanças continuam a ser as mesmas, os retratos e as crenças continuam a não me deixar dormir, então venha o que está para vir.

Texto: Davide Lobão

email: davidelobao@hotmail.com

Sem comentários: